Seja você um arquiteto ou designer formado em busca de uma especialidade no mercado, seja um estudante à procura de uma profissão para seguir, já deve ser, de alguma maneira, familiarizado com o design de interiores.

O campo de atuação do profissional especializado nesse ramo é muito amplo e lida com três fatores principais: pessoas, espaços e sensações. Cada ambiente residencial, comercial ou corporativo precisa de uma linguagem específica em layout, cores e iluminação para atender às necessidades de seus usuários.

Conheça mais, em nosso post, sobre as perspectivas profissionais e novidades que o design de interiores tem para oferecer tanto para profissionais quanto para os clientes!

Arquitetura de interiores

O termo “design de interiores” foi formalizado no Brasil há relativamente pouco tempo — apenas desde a década de 1990. Até então, a função era conhecida como “decoração” ou “arquitetura de interiores”, embora existam diferenças entre as atribuições de cada área.

São habilitados para atuar nesse mercado os arquitetos, os designers e aqueles que possuem cursos técnicos específicos para a área. Todos precisam dominar conhecimentos em, no mínimo, 80% do currículo básico para a profissão, que levam a ter competência para projetar espaços eficientes e esteticamente agradáveis.

A diferença fundamental entre o design e a arquitetura de interiores é que, no caso da arquitetura, o projeto pode contar com alterações estruturais, como remover ou acrescentar alvenaria, por exemplo. O designer, por sua vez, não pode interferir na delimitação imposta pelas paredes e estruturas, trabalhando apenas dentro do espaço definido por elas.

O profissional que se especializa em design de interiores trabalha com tudo aquilo que se refere à decoração, à distribuição de móveis, objetos ornamentais, cores, tecidos, plantas e iluminação, focando em quais necessidades precisa atender e como fazê-lo com boa funcionalidade e qualidade estética.

A especialização em design de interiores é perfeita para os profissionais que, por algum motivo, não podem ou não preferem trabalhar com obras.

Área de atuação

Cada vez mais pessoas ficam conscientes da importância de um bom projeto de interiores. Assim, procuram valorizar ao máximo as suas residências, condomínios e escritórios com soluções criativas para proporcionar boa qualidade de vida aos usuários.

A atuação em design de interiores pode ser dividida em três grandes áreas: residencial, comercial e paisagismo. Cada uma conta com inúmeras subdivisões, que devem ser observadas caso a caso, de modo a focar em soluções personalizadas para cada cliente.

Projetos residenciais

São mais comumente conhecidos, embora nem sempre priorizados por quem compra um apartamento novo ou pensa em reformar. Um profissional especializado é essencial, na medida em que ajuda os clientes não apenas a compor um espaço de excelência, mas também a economizar — ao racionalizar uma obra, os desperdícios são evitados.

Desse modo, nas primeiras reuniões com um cliente, é fundamental fazê-lo compreender a importância de contar com um designer de confiança, que saiba captar as suas necessidades, expectativas e traduzi-las aos ambientes da melhor forma possível. Afinal, o futuro lar deve ser o refúgio perfeito contra a vida agitada e os problemas externos.

Assim, o desafio é unir os conhecimentos técnicos, oriundos dos cursos e da própria experiência profissional, aos aspectos psicológicos apresentados pelo cliente, seja para construir uma ambientação desde os momentos mais iniciais, seja para solucionar questões pontuais.

Os projetos residenciais devem considerar, ainda, que a vida útil de uma casa ou apartamento é bastante longa e que a maioria dos clientes não será uma demanda constante, renovando a decoração a cada ano. Portanto, o conceito inicial deve ser adaptável às mudanças das condições físicas e psicológicas das pessoas.

Projetos comerciais

Um projeto comercial é uma tarefa delicada, que exige conhecimentos adicionais em áreas como legislação, normas, publicidade, marketing e técnicas de vendas. É necessário realizar uma pesquisa de mercado minuciosa, compreendendo o nicho e o comportamento do público-alvo almejado mais a fundo.

O ambiente, nesse caso, precisa ser não só funcional, como também deve respeitar todas as regras de funcionamento — especialmente no caso de estabelecimentos que trabalhem com alimentação — além de direcionar os visitantes a consumirem os produtos ou serviços e transmitir a filosofia da empresa.

Em uma loja, todos os elementos são escolhidos e posicionados de forma a valorizar os produtos, captar a atenção e causar uma multiplicidade de sensações a determinado público-alvo. Portanto, apostar em um projeto de decoração de qualidade para o espaço pode fazer toda a diferença entre o sucesso e a ruína do negócio.

Em projetos corporativos, por outro lado, o foco é proporcionar um espaço agradável e confortável o suficiente para que os colaboradores de uma empresa possam exercer as suas funções com a devida atenção. Uma iluminação mal elaborada, por exemplo, pode acarretar em sérias quedas de produtividade e problemas de visão.

Ainda em projetos de escritórios, é necessário considerar a quantidade de funcionários e qual a dinâmica estabelecida por eles no cotidiano, respeitando a proximidade física dos diversos setores que precisarem ter maior interação.

Um dos pontos mais cruciais, tanto para projetos comerciais como corporativos, é atentar às rotas de fuga em caso de acidentes. Afinal, o descumprimento desses critérios pode resultar na paralisação do funcionamento de qualquer estabelecimento. O ideal é que engenheiros ou arquitetos especializados nesses sistemas possam trabalhar em conjunto com o designer.

Paisagismo

É um dos mercados também em franca expansão no Brasil. Demanda um ou mais cursos de capacitação, devido à necessidade de dominar conhecimentos sobre botânica, materiais, substratos, entre outros.

O profissional pode atuar elaborando fachadas, projetos de valorização urbana — como praças, avenidas, parques —, de interiores — em jardins verticais ou decoração de ambientes como varandas, churrasqueiras —, ou na recuperação de áreas naturais degradadas.

O paisagismo tem sido valorizado pelo poder que a natureza e o contato com ela tem de promover sensações positivas sobre as pessoas, principalmente pela opressão psicológica que a cidade e os seus muitos edifícios altos causam.

Um projeto paisagístico deve contemplar questões como a função do espaço, as espécies mais bem-adaptadas ao clima da região e as características das plantas, de forma a não prejudicar as estruturas ao redor. Também é possível focar em preservar uma árvore ou um conjunto de espécies de interesse estético, histórico, urbanístico ou técnico.

Mercado e os seus desafios

A quantidade de empreendimentos novos que continuam surgindo a cada ano nas cidades brasileiras impulsionou o mercado de trabalho para design de interiores, trazendo ao mesmo patamar de prestígio das áreas afins, possibilitando, ainda, melhores remunerações.

Entretanto, no caso de projetos comerciais, é possível observar que, quando uma economia passa por crise, a quantidade de empreendimentos nesse nicho sofre sérios impactos, devido à insegurança gerada pelo contexto geral.

O setor residencial é o campo mais saturado dentro do design de interiores. No entanto, indiscutivelmente é aquele que sempre conta com demanda, ainda que seja para pequenas reformas.

Como a maioria das outras profissões criativas, o principal desafio do mercado de design de interiores é ser bastante concorrido. Para se destacar, o designer precisa estar antenado às tendências, tecnologias, participar de eventos e demonstrar segurança quando precisar aplicar o seu conhecimento técnico na resolução dos problemas apresentados por um cliente.

Tendências

As melhores tendências são as que se demonstram atemporais. Assim, o projeto baseado nelas nunca sai de moda, nem fica de mau gosto depois de algum tempo, permitindo ao usuário fazer modificações leves e que não alterem substancialmente a essência do que foi pensado pelo designer.

Contraste de cores

Para 2018, a neutralidade dos tons na decoração continua em voga, devido aos benefícios oferecidos no sentido de transmitir sensação de amplitude, além de não comprometer a decoração em volta pelo uso de um tom de combinações controversas.

Quanto ao uso de cores, depende muito do estilo pessoal do cliente. Alguns preferem manter o minimalismo, como no estilo Serendipity — que é inspirado em paisagens provençais, mais suaves. Já outros, preferem algo mais na linha Fun Design, com decorações extravagantes, repletas de grafismos e tonalidades fortes.

Iluminação

Luz é tudo! O projeto luminotécnico deve ser feito com toda a atenção ao ambiente e às atividades que serão desempenhadas em seu interior. A iluminação com lâmpadas aparentes, coloridas, com pendentes metálicos e de design em linhas mais puras é a preferida do momento.

Os sistemas de automação residencial também estão cada vez mais acessíveis aos diversos orçamentos. Para os profissionais, mostrar as vantagens de economia e os efeitos causados com cada cena criada em um projeto é uma ótima forma de encantar o cliente.

Tecidos com texturas

Têm importância estética e de conforto, sobretudo em locais com estações mais frias. A Santa Mônica conta tanto com a linha residencial quanto com a linha corporativa, completas e cheias de opções de carpetes e tapetes que agradam a todos os estilos!

Trazer as tendências da moda para o design de interiores é uma das melhores estratégias. Linhas e padrões geométricos, por exemplo, são atemporais e combinam com qualquer estilo. Por outro lado, o veludo voltou com tudo e é excelente para compor uma atmosfera mais sofisticada.

As fibras naturais também podem ser importadas das passarelas para a decoração em vários pontos de interesse. Outra boa aposta é o contraste entre estofados claros e escuros, para quebrar a monotonia de uma paleta muito neutra.

Natureza próxima

Decorar a casa com verde traz mais vida e harmonia a qualquer ambiente. Desde salas até banheiros, plantas são uma ótima forma de suavizar a rotina corrida, tão recorrente a quem vive nas médias e grandes cidades. 

Caso o cliente se sinta intimidado por não ter experiência no cuidado com plantas, não disponha de muito tempo ao longo do dia ou ache que não leva muito jeito, não tem problema: os cactos e as suculentas, por exemplo, são boas sugestões porque exigem pouquíssimos cuidados e têm grande durabilidade.

Os elementos naturais também podem estar no uso de tecidos com fibras mais rústicas, peças de artesanato ou no estilo "faça você mesmo", métodos construtivos, uso de madeira. Se você mora em uma região que conta com muitos produtores artesanais, é ainda uma excelente maneira de contribuir para o fortalecimento da economia local.

Ecodesign

Mais do que uma questão de moda, tratar os ambientes pensando na sustentabilidade é necessidade. No entanto, é importante contribuir para uma mudança mais ampla e gradativa, retirando a fama do ecodesign de ser hippie ou desleixado. É importante focar em reciclagem, em evitar desperdícios e na preferência por materiais de longa durabilidade.

Dessa forma, os designers têm um papel fundamental na propagação de uma visão consciente sobre os benefícios ambientais e estéticos do ecodesign, que gera utensílios singulares, modernos e bonitos, dando ainda mais personalidade ao projeto.

Sob o ponto de vista da carreira, é uma excelente área para se tornar um especialista, uma vez que a demanda por projetos que priorizam o desenvolvimento sustentável tende sempre a crescer, tanto no setor comercial quanto no residencial.

Assim, qualquer profissional pode buscar se aprofundar, por exemplo, no desenvolvimento de peças ecologicamente conscientes — uma excelente ideia para investir na sua vez de empreender!

Banheiros confortáveis

A ideia de ter um lugar em casa onde se refugiar da rotina acelerada atrai muito as pessoas. Os banheiros, como espaços que são fundamentalmente voltados aos cuidados pessoais, ganham cada vez mais destaque quando recebem o status de mini spa, por exemplo.

Assim, vale focar na transformação tanto da quantidade, como da qualidade do tempo de permanência nesses espaços. Lâmpadas LED que alternam as cores da iluminação durante o banho, nichos para objetos decorativos e revestimentos inusitados são as apostas do momento para garantir a máxima comodidade.

Revestimentos criativos

As fabricantes de revestimentos estão cada vez mais engajadas em produzir peças  inovadoras. Em 2018, o foco das tendências de revestimentos está na fuga do convencional e na descontração na medida certa. Miniformatos, geometrismos, degradês, paginações diferentes: tudo para evidenciar um design de interiores sofisticado e despojado.

Por outro lado, não se pode perder de vista as referências de decorações mais sóbrias. A reinvenção das cores e linhas de madeira ou de pedras naturais em materiais modernos unem rusticidade e contemporaneidade. Estão muito em alta e são garantia de sucesso para projetos de linha clássica.

Tecnologia como diferencial

Parte da competitividade tão pronunciada nesse mercado de trabalho se dá ao grande avanço dos softwares de trabalho. A cada nova atualização, as ferramentas e comandos permitem a elaboração de imagens extremamente realísticas e possibilitam, aos clientes, a visualização do projeto completo e finalizado antes mesmo de sua conclusão.

Esse alto nível de detalhamento rapidamente se tornou mandatório na maneira de trabalhar dos profissionais e elevou o patamar de toda a profissão. Dessa maneira, ainda que aprender ou se aprofundar nos conhecimentos sobre algum programa demande investimentos financeiros e de tempo, se manter reciclado é essencial para captar e encantar os clientes!

Além disso, as ferramentas não se limitam apenas aos computadores. Cada vez mais têm surgido aplicativos para smartphones e tablets que permitem, ao profissional e ao cliente, acessar e alterar o projeto a partir de qualquer lugar.

Os inúmeros aplicativos podem facilitar muitas outras tarefas, ainda mais quando se trata do recurso da realidade aumentada. Os novos recursos até facilitam a atuação profissional: é possível medir ambientes, calcular quantidades de revestimentos, tintas e ainda pré-visualizar texturas, mobiliário ou a troca de cores em um cômodo já construído.

A estratégia que mais tem contribuído para o sucesso da contratação de projetos, nos últimos anos, é a possibilidade de o cliente interagir com a maquete eletrônica por meio de smartphones e óculos de realidade virtual.

Com essa ferramenta, empresários têm como compreender, em escala real, o resultado de todo o investimento em design, considerando o caráter fundamental que cada detalhe tem, no setor comercial, a contribuir para as sensações que se deseja transmitir. Já em empreendimentos residenciais, o objetivo é que os futuros usuários se identifiquem ao máximo com o espaço.

A impressão 3D é outra novidade que tem ganhado espaço cada vez mais rápido e causado grandes mudanças no design de utensílios e objetos decorativos. Portanto, é interessante acompanhar como essa tecnologia evoluirá nos próximos anos.

Cursos de capacitação e ferramentas

Seja um curso de especialização em alguma área que você tenha interesse ou que não domine, seja um workshop para aprender a manusear um software, mantenha sempre em mente que investir na própria carreira é uma decisão das mais sábias!

Em cursos, palestras e workshops presenciais, você não apenas adquire conhecimentos técnicos específicos como também tem a oportunidade de aprender por meio das próprias interações entre os participantes. Afinal, colegas de trabalho sempre têm formas mais rápidas de executar determinado processo ou ensinam um comando que você não conhecia.

Existem diversas opções de cursos de especialização — que oferecem o benefício de receber um título a mais, além da graduação ou diploma técnico. Design de interiores residencial ou comercial, iluminação, vitrinismo, criação de mobiliário ou paisagismo. Independentemente da escolha, cada conhecimento novo é um nicho no qual você pode se destacar no mercado!

Outra excelente decisão é investir no aprendizado de ferramentas específicas para a elaboração de projetos. Os mais conhecidos são:

  • AutoCAD para desenhos bidimensionais;
  • SketchUp e 3D Max para modelos tridimensionais e maquetes eletrônicas;
  • V-Ray para renderização e elaboração de imagens realísticas;
  • Photoshop para tratamento final de imagem.

Vale lembrar que esses programas contam com plug-ins e bibliotecas complementares repletas de blocos dos mais simples aos mais detalhados, ferramentas para elaboração rápida de mecanismos para movelaria, geolocalização, entre outros. E o melhor de tudo: são bastante acessíveis e não exigem treinamento adicional. Então, por que não começar o quanto antes?

Pode parecer muito complicado, mas com o tempo e a prática, todos esses passos se tornam naturais e prazerosos, principalmente quando o profissional puder ver o grande impacto positivo que imagens e desenhos técnicos feitos com excelência têm sobre os clientes e a equipe de trabalho.

Networking profissional e a participação em eventos

networking é a construção de uma rede de contatos em âmbito profissional, de forma a poder aproveitar essas relações para criar, expandir negócios e formar parcerias. Apesar de causar opiniões controversas às vezes, é um processo natural durante o exercício da profissão.

No mercado atual, é impensável alcançar boas oportunidades e resultados no nicho em que você deseja seguir sem se relacionar. Portanto, veja seus contatos exatamente pelo que são: parceiros, não concorrentes. Mostre-se útil — com diferenciais a oferecer —, seja presente, criativo e sincero. Existe espaço para todos!

A ideia fundamental do networking é fazer trocas: de clientes que precisem de serviços em diferentes nichos, de conhecimentos, de formas de executar processos e até de profissionais das equipes de trabalho. Ou seja, uma rede de contatos saudável não pode focar em ganhos unilaterais, mas sim no todo. 

Caso seu foco seja em empreender, o net​working é ainda mais indicado. Invista em estratégias colaborativas para alcançar resultados que sejam benéficos tanto para você quanto para seus parceiros.

Mas não se limite apenas aos seus colegas de formação. Boas impressões podem ser deixadas a qualquer momento, para qualquer pessoa. Assim, quando um conhecido precisar reformar a sala de casa ou repaginar o ambiente de trabalho, é altamente provável que se lembre de você!

A popularidade das redes sociais também é um fenômeno que merece ser observado de perto. Se você já tem costume de mostrar alguns trabalhos na sua conta pessoal, faça uma outra exclusivamente para o seu negócio. Pode parecer uma dica simples e básica, mas faz toda a diferença no ar de profissionalismo que você dá à sua marca e ao seu produto — no caso, o design de espaços. 

De quebra, um portfólio online como esse torna ainda mais fácil para os clientes verem o seu trabalho com calma, se identificarem com seu estilo e encontrarem você para contratar seus serviços. Portanto, não se esqueça de manter os posts regulares e atualizados.

E não precisa mostrar apenas imagens de maquetes ou espaços: fotografe participações em eventos, viagens de negócios e até a entrega de projetos para clientes — eles se sentirão especiais!

Outra forma de fomentar o networking é participando dos eventos de arquitetura e decoração que ocorrem em diferentes períodos ao longo do ano. Além de conhecer novas tendências em materiais e métodos, o estudante, arquiteto ou designer tem oportunidades de trocar experiências com colegas de diferentes estados e países.

Procure estudar previamente um pouco a respeito do conteúdo das palestras que for assistir e levar cartões profissionais. Isso ajuda as pessoas a notarem a sua motivação e lembrarem de você em momentos futuros.

Visitar outras cidades e comparecer a congressos, simpósios, seminários e feiras internacionais ou nacionais é, ainda, um excelente modo de renovar as ideias e voltar ao trabalho mais criativo do que nunca. Logo, organize-se! Pesquise datas, valores, hospedagem e, se possível, reúna colegas de trabalho para irem juntos. Cada experiência será única!

O design de interiores, assim como qualquer outra área de trabalho, exige esforço, dedicação e planejamento estratégico para crescer no mercado, ter estabilidade e conquistar reconhecimento. Além disso, ao buscar os seus objetivos agindo com responsabilidade e ética, todo profissional é capaz de tornar a competição mais justa para todos.

Para receber mais dicas de tendências e novidades incríveis para os seus projetos, assine a nossa newsletter e fique por dentro. Até a próxima!